Atendimento por email googleplus twitter facebook

Notícias

Lei exige transparência nas vendas de carros

Os vendedores de veículos serão obrigados, a partir da próxima segunda-feira (25), a dar informações mais completas sobre o histórico dos carros comercializados. Entre as responsabilidades previstas pela Lei 13.111, sancionada em março, está a necessidade de informar ao comprador de qualquer pendência financeira do veículo. Isso envolve multas, taxas, impostos, e outros custos. "O processo vai ficar mais trabalhoso para quem vende veículos e mais tranquilo para quem adquire", diz o advogado Dori Boucault, que por mais de 30 anos atuou no Procon. "Muita gente compra o carro pelo valor da parcela, mas esquece de checar o histórico do veículo - que é uma ficha de antecedentes." Se o vendedor não prestar as informações, a nova lei diz que ele será obrigado a pagar o valor correspondente às obrigações em aberto até a data da venda do veículo. O advogado comenta que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) já exigia que os vendedores informassem com precisão as condições do veículo. "Mas havia pontos controvertidos. Agora ficou tudo mais claro. A lei é bem didática", afirma o especialista. Furto Outra previsão da nova lei é que o vendedor deve comunicar se o veículo já foi objeto de roubo anteriormente, comenta a sócia do Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados, Fabíola Meira. Segundo ela, os veículos que já foram furtados frequentemente são rejeitados pelas seguradoras, o que pega os clientes de surpresa. Com dificuldade em obter seguro, os clientes tentam devolver o veículo, mas nem sempre conseguem. "Esses casos iam parar na Justiça, já que em muitos casos os vendedores não rescindiam os contratos", afirma ela. Agora, com a nova lei, fica claro que quem vende o veículo tem a obrigação de informar furto anterior. Caso contrário, deve restituir o valor integral da compra. Processo parecido acontece com veículo restaurado após perda total, indica a advogada. "Quando o comprador leva o automóvel para fazer a inspeção, a seguradora em muitos casos rejeita", diz ela. Em sua redação, a Lei 13.111 não faz referência aos casos de perda total. Independentemente disso, Fabíola afirma que há obrigação de informar o cliente. "Não sei por que esse caso não foi incluído. Mas entendo que precisa ser informado", comenta a advogada. Mercado Pelo fato de que as responsabilidades da nova lei já estavam previstas indiretamente pelo CDC, Fabíola entende que as mudanças devem impactar principalmente os vendedores de veículos de pequeno e médio porte. "Acredito que as concessionárias já estão estruturadas para atender essas obrigações. Mas as lojas não relacionadas a marca específica [de fabricante] tendem a ter que se adaptar", destaca. Em especial, ela prevê necessidade de adaptação no que diz respeito à obrigação de informar quanto foi pago de imposto sobre a comercialização do veículo. Antes, os impostos ficavam embutidos no preço do carro, mas o consumidor não sabia exatamente quanto estava pagando a título dos tributos. Agora, a título de informação, passa a saber. Boucault também destaca que pouco importa se o vendedor do veículo tinha conhecimento ou não das pendências. "Frente ao descumprimento do que a lei determina, ele vai ter que pagar tudo aquilo que deveria ter sido pago até a data da venda. Ele é responsável pela história de débitos do veículo", afirma o advogado. Ele ainda aponta que a lei trata da relação entre empresa e consumidor. Com base nisso, a alegação de desconhecimento não é válida. "Se o profissional trabalha nessa área [de venda de veículos], não pode alegar que não sabia. Ele tem a obrigação de saber", afirma. Caso contrário, cabe inclusive reclamação nos Procons ou juizados especiais, destaca ele. Roberto Dumke

São Paulo, SP

ED ITÁLIA - AV. IPIRANGA, 344 - Centro CEP 01046-926

  • (11) 3231-0266 - São Paulo

Limeira, SP

Rua Treze de Maio, 257 - Conj. 53 - Edificio Paulista CEP 13480-171

  • (19) 3704-4866 e (19) 3441-3977